18 de jan de 2014

EMPRESÁRIA LANÇA LIVRO EM SÃO LUIS SOBRE INFÂNCIA VIVIDA EM SÃO JOÃO BATISTA

Algumas pessoas da cidade de São João Batista participaram ontem, 17 de janeiro, do Lançamento do Livro ‘Lamparinas e estrelas – Memórias de minha infância’, no Residencial Recepções, na capital do estado, São Luis. O livro é de autoria da empresária  Ana Régia Passos, que aos 49 anos realiza o seu sonho, que é de publicar seu primeiro livro externando o que de melhor a vida pôde lhe oferecer: as lembranças da infância vivida na cidade maranhense de São João Batista.
Ana Régia Passos / Foto: Herbeth Figueiredo
Por lá estiveram algumas pessoas da nossa cidade, como o fotógrafo Herbeth Figueiredo, o modelo William Figueiredo, Iracema Pinheiro,  a ex-candidata a vereadora Nilde Câmara e o ex-gerente do Banco do Brasil da nossa cidade, jurista Flávio Braga. Na ocasião, teve um show de MPB com o cantor Sócrates, uma apresentação de dança e a exibição de um curta sobre São João Batista, produzido por Ana em parceria com um amigo.
No livro, Ana Régia propõe uma viagem no tempo, povoando imaginários para uma época em que não existia luz elétrica e que se passava o tempo conversando e contando histórias sob a luz da lamparina a querosene, nas calçadas iluminadas sob o céu estrelado. “É por isso que se chama Lamparinas e estrelas. Somente quando já estava perto de sair da cidade, aos 15 anos, é que chegou energia elétrica, a seguir a televisão. Só tinha um aparelho e todos iam assistir à programação na casa que tinha a televisão, inclusive eu (risos). A autobiografia de Ana Régia, talvez seja a infância livre e feliz que muitos tiveram e desejariam que seus filhos, netos, tivessem.
“Falo das aventuras que a gente tinha, de entrar no mato para brincar, pegar frutas. Naquela época não havia a violência de hoje. Tínhamos medo de cobra ou outros animais, mas não de gente. Essa é uma coisa incapaz de ser fazer hoje em dia”, atesta Ana Régia. A amiga Deuzenir SzeKersh fala com orgulho da mulher que Ana Régia se tornou e da infância divertida que tiveram juntas. “Conhecemos-nos na infância onde a vida nos fez caminharmos juntas até a fase adulta, pela precisão com que comandava nossas brincadeiras de fundo de quintal, das casinhas embaixo de árvores, sentia sua determinação, valendo ressaltar a sua simplicidade peculiar em cativar todos que estão a sua volta e de forma espetacular, defendia nosso grupo.
Em 48 páginas, Ana fala da escola, dos amigos, dos vizinhos, das brincadeiras no quintal, do medo do poço, das lendas, dos contos, da comida, enfim, da sua São João Batista eternizada na memória. “É um livro de memórias, boas lembranças, para suscitar os sonhos, as viagens à infância ingênua. Mesmo com as dificuldades e com a falta de estrutura daquela cidade na época eu fui muito feliz, e não tenho dúvidas de que tantas outras crianças também. Com o passar do tempo estou dando cada vez mais valor a tudo que vivi na infância e pré-adolescência”, diz Ana. Influência Desde a infância Ana sempre sonhou em escrever estórias iguais a da avó que causavam emoção na plateia. As imagens são de autoria de Herbeth Figueiredo.
Folha de SJB
O que você achou?

1 COMENTÁRIO:

  1. Ao tempo que parabenizo a Folha São João Batista por dilvulgar esse tipo de evento, cumprimento a Ana Passos por seu espírito Joanino. Lendo a matéria não há como não voltar no tempo e não relembrar a beleza de uma natureza tão pura: árvores, pássaros, campos cheios, rios transbordando, peixes em abundância, pescadores felizes, canoas trafegando, graúnas cantando, animais pastando e transportando, pobres participando, amigos confiando e compartilhando; a pureza e simplicidade das pessoas, principalmente das mais humildades, referências para os nossos caminhos; enfim, a busca pelo bem-estar do outro, estando os interesses pessoais relegados a um segundo plano. Ana, espero que, diante da atual realidade, o seu livro nos conduza à reflexão e ação. Parabéns! Abs, João Batista Ferreira (Curva de Ascenço)

    ResponderExcluir