2 de mai de 2011

MINISTÉRIO PÚBLICO OFERECE DENÚNCIA CONTRA SUSPEITO DE MORTE DE QUILOMBOLA

http://www.jornalpequeno.com.br/dados/imagens/JP23601_147085_A.jpgA Promotoria de Justiça da Comarca de São João Batista ofereceu denúncia nesta semana contra os suspeitos do assassinato do quilombola Flaviano Pinto Neto, morto aos 45 anos por disparos de arma de fogo no ano passado. Foram denunciados Manoel de Jesus Martins Gomes (conhecido como Manoel de Gentil), Antônio Martins Gomes (vice-prefeito de Olinda Nova do Maranhão), Josuel Sodré Sabóia e Irismar Pereira.
O Ministério Público do Maranhão pede que os denunciados sejam processados e condenados, de acordo com os termos da lei.  Flaviano Pinto Neto foi assassinado na noite do dia 30 de outubro, no interior do Bar da Cilene, localizado no povoado Santa Rita I, às margens da MA-014, no município de São João Batista (distante 296km de São Luís). Consta na denúncia que os autores do plano de morte do quilombola foram Manoel de Jesus Martins Gomes e Antônio Martins Gomes. Irismar Pereira efetuou os disparos, enquanto Josuel Sodré Sabóia atraiu e conduziu a vítima até o local do crime. Sabóia é ex-policial militar e possui uma extensa folha de antecedentes criminais.
O motivo do assassinato foi a disputa por uma área de terra, que pertencera a Gentil Gomes, pai de Manoel de Jesus Martins Gomes e Antônio Martins Gomes. A área estava prestes a ser desapropriada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em favor da Comunidade do Charco, reconhecida como remanescente de quilombo. A Associação dos Pequenos Produtores Rurais do Povoado Charco, presidida pela vítima, pleiteou, desde 2006, a regularização do assentamento das 71 famílias quilombolas que moram, há mais de 60 anos, naquela área, o que incomodou os irmãos Manoel e Antônio Gomes.
De acordo com as provas apuradas, a vítima Flaviano Pinto Neto não registrava antecedentes criminais, não possuía inimigos declarados nem teve nenhum pertence roubado após ser assassinado. Durante as investigações da Polícia Civil, os denunciados negaram qualquer envolvimento com o assassinato do líder quilombola. No entanto, provas levantadas especialmente em interceptações telefônicas e depoimentos contraditórios levaram à conclusão da participação dos suspeitos.
Ofereceu a denúncia o promotor de Justiça Carlos Róstão Martins Freitas, que responde pela Comarca de São João Batista. As informações são da Assessoria de Comunicação do Ministério Público e está no sítio do órgão AQUI . Mais informações no Twitter da Agência SJB

EQUIPE DE REDAÇÃO DA AGÊNCIA SJB 

O que você achou?

1 COMENTÁRIO:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir