24 de nov de 2011

JÚRI POPULAR: FIGUEIREDO VAI CUMPRIR APENAS 06 MESES DE PRISÃO

Marinalva Fonseca
A Comarca de São João Batista acaba de realizar mais um Júri Popular na cidade. Hoje estava sendo julgado o senhor Lucivaldo Diniz Figueiredo, acusado de tentar matar a sua esposa e professora Marinalva Fonseca Figueiredo. O crime aconteceu em 2009.
Segundo informações de nossa Equipe de Reportagem, Figueiredo, como é conhecido, agrediu fisicamente a vítima e teria apertado seu pescoço com intuito de sufocá-la. Fato comprovado pela testemunhas durante o julgamento de hoje. O júri estava sendo presidido pela juíza Odete Maria Pessoa Mota e pelo promotor de justiça, José Jailton Cardoso. O advogado Cícero de Medeiros estava fazendo a defesa.
O julgamento começou por volta das 8:00 horas da manhã e acabou ainda pouco. Marinalva Fonseca Figueiredo, durante seu testemunho pediu que Lucivaldo Diniz Figueiredo se afastasse dela e que disse que não gostaria de morar com ele outra vez. Mas disse que ela ainda mora com o acusado por que, ele não estaria querendo deixar a casa.
Depois de ouvir as testemunhas de acusações e defesa, a juíza leu a sentença dada pelo Júri Popular. Lucivaldo Diniz Figueiredo foi acusado apenas pelas lesões e não pela tentativa de homicídio, sendo descartada esta possibilidade. O acusado vai cumprir um ano de prisão em regime semi aberto, mas por já ter cumprido prisão anteriormente, vai ficar apenas 06 meses.
O condenado vai cumprir a pena aqui mesmo em São João Batista e deve apenas dormir na Delegacia de Policia Civil. Durante o dia, ele trabalhará normalmente. O advogado Cícero de Medeiros, que atendeu um pedido da juíza para defender o acusado, como advogado dativo, pediu que Odete Maria Pessoa Mota determinasse que a punição foi cumprida em apenas prisão domiciliar, mas a juíza não atendeu ao pedido. 
Além disso Figueiredo deve se manter alguns metros longe da vítima, como determinou a juíza. Ao sair, nossa equipe ouviu o advogado Cícero de Medeiros dizer pra Figueiredo que ele teve sorte. Já o condenado disse: "Graças a Deus". A professora Marinalva saiu do local do julgamento horas antes de sair a sentença. Mais informações sobre os julgamentos, ainda esta semana neste blog. Foto: Facebook.

EQUIPE DE REDAÇÃO DA AGÊNCIA SJB
O que você achou?